https://www.google.com/maps/d/u/0/viewer?ll=-30.024280463085628%2C-51.232222839236464&z=15&mid=1dQVuDlg5m6VVF7njxHTwVjUXCL8O7mFs
 

#5_TALKS

Diversificar ou descolonizar a arte: artistas falam sobre suas práticas mundo afora

 

14 JUN. 19h00

ano2021.jpg

AMÉLIA SAMPAIO (BR-FR)

Nascida em 1973, criada no subúrbio carioca. Mestre em Artes pelo Programa de Pós Graduação do Instituto de Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, ano 2019/2021, Artista visual e professora na rede do Município do Rio de Janeiro. Últimas exposições: Parcours de L'Art - 27ème édition du Festival de Art contemporain. 2021. Avignon – France;  Exposición Colectiva Virtual  FASE CERO no SPAZIO148 Lima-Perú. 2021.

Rubiane Maia.jpg

RUBIANE MAIA (BR-UK)

Rubiane Maia é artista visual e vive entre Folkestone, Reino Unido e Vitória, ES, Brasil. É formada em Artes Visuais e mestre em Psicologia Institucional pela Universidade Federal do Espírito Santo. Sua prática artística é um híbrido entre a performance, o vídeo, a instalação e a escrita. Ocasionalmente, flerta com o desenho, a pintura e a colagem. Desde 2018, vem desenvolvendo um ‘Livro-Performance’ composto por uma série de ações organizadas em capítulos e desenvolvidas especificamente em resposta a textos autobiográficos influenciados por experiências de racismo e misoginia. Atualmente, integra o coletivo internacional 'Speculative Landscapes’, um grupo de quatro mulheres que desde 2020 vem trabalhando em questionamentos sistêmicos sobre o que mais as instituições podem ser, quando não moldadas por histórias de violência, segmentação e extração dos territórios.

Giana-De-Dier-headshot.jpg

GIANA DE DIER (PA)

Mediante colagens de técnica mista e composições digitais sua obra investiga as experiências de migrantes afrocaribenhos segregada a princípios do século XX. Seu trabalho reconstrói situações a partir de arquivos fotográficos, relatos, fotos e documentos familiares com o fim de gerar discussões sobre a memória, a identidade e a representação. Visibiliza as dificuldades e historias de resiliência de pessoas cujas experiências tem sido silenciadas e apagadas por mais de um século. Estudou Artes Visuais na Universidade do Panamá e tem mostrado sua obra no Salone degli Incanti e Gallerie delle Prigioni na Italia, na Galería de Arte da Asociación de Empleados del BID en Washington, SMV Gallery em Nova York, Allegro Galería e no Museo de Arte Contemporánea de Panamá.

Retrato_Astrid_Gonzalez.png

ASTRID GONZÁLEZ (CO)

Astrid González Quintero. Medellín, 1994. Vive e trabalha desde distintos territórios. Artista plástica. Estudou Artes plásticas na Fundação Universitária Belas Artes na cidade de Medellín. Trabalha a partir de distintas disciplinas como vídeo, fotografía, desenho digital e escultura, abordando reflexões sobre os processos históricos das comunidades
afrodescendentes na América. Sua relação com a arte transita também na investigação. É autora do livro Ombligo cimarrón. Pesquisa, criação. Publicado no ano 2019. Tem exposto no Chile e na Colombia, recentemente no Museu de Arte Moderna de Medellín.

55BDB28F-5DAE-400A-A173-24726B443E08__1_-removebg-preview.png